Quatro dos sete ministros do TSE indicam excluir delações de ação

Julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral

Por Veja – Quatro dos sete ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indicaram na sessão iniciada nesta quinta-feira que não vão considerar como provas no julgamento da chapa DilmaTemer as delações premiadas da Odebrecht e do casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura, bem como seus depoimentos como testemunhas ao TSE. Uma das questões preliminares apresentadas pelas defesas da petista e do peemedebista, a consideração ou não das revelações dos delatores é o ponto-chave da ação na Corte eleitoral e sua rejeição, caso confirmada nos votos, facilitará a absolvição de ambos.

Seguindo a posição do ministro Gilmar Mendes, diversas vezes explicitada por ele nas sessões, mesmo sem seu voto, os ministros Napoleão Nunes Maia,Admar Gonzaga e Tarcisio Vieira de Carvalho, disseram-se contrários à admissão das delações como prova. Diante do pedido do relator, Herman Benjamin, para que se manifestassem “com clareza” sobre se a Odebrecht poderia ou não ser investigada, Nunes Maia e Gonzaga deram apenas indicativos do posicionamento, enquanto Vieira de Carvalho antecipou seu voto.

Favorável ao aproveitamento das delações no julgamento, Benjamin foi acompanhado pelos ministros Luiz Fux e Rosa Weber em suas manifestações prévias aos votos.

Deixe seu comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s