Sem acordo, policiais civis paralisam atividades a partir desta terça-feira (05)

Policiais civis do Rio Grande do Norte decidiram que, a partir desta terça-feira, 5, vão deflagrar a Operação Zero e se concentrar na Central de Flagrantes.

A categoria cobra uma nova proposta do Governo do Estado referente ao projeto de reestruturação de carreira, bem como as promoções atrasadas que não foram implantadas, previsão de pagamento dos salários atrasados e melhores condições de trabalho.

A diretoria do SINPOL-RN informa que foi chamada para uma reunião com o Governo na manhã desta segunda-feira, 4, no entanto, não houve nenhum avanço.

“Infelizmente, chegamos às 8h30 no Centro Administrativo e saímos às 16h sem absolutamente nada. A equipe do Executivo abandou, literalmente, a diretoria do sindicato em uma sala, por volta das 12h, e não retornou mais. Somente após termos ligado para cobrar um posicionamento nos foi dito que não havia previsão da possível proposta ser apresentada”, explica Nilton Arruda.

A diretoria então voltou para o SINPOL-RN e repassou as informações aos Agentes e Escrivães. “Diante da insatisfação e do tratamento desrespeitoso que recebemos, ficou deliberado pelo início da Operação Zero”, completa.

Com a deflagração da Operação Zero, os Policiais Civis esperam ser recebidos pela governadora Fátima Bezerra e que ela coloque uma proposta na mesa. “Os rumos do nosso movimento dependerá do próprio Governo. O prazo assinado em um termo de compromisso no dia 23 de julho se venceu em 31 de outubro, então, agora é uma questão de vontade política”.

A diretoria do SINPOL-RN lembra que os policiais civis vêm lutando por valorização pelo trabalho realizado no combate à insegurança. “Nós queremos que o Governo reconheça o esforço que temos feito diariamente, inclusive, por sermos um dos piores efetivos do Brasil, cobramos também a realização do concurso público”.

Com a Operação Zero nesta terça-feira, conforme a deliberação, os Policiais Civis do interior devem se concentrar nas delegacias regionais.

Fonte: Agora RN
por Caboré Locações Publicado em Notícias

Frente Parlamentar discute desabastecimento de água em Santa Cruz

assb frente parlamentarA descontinuidade do abastecimento de água no município de Santa Cruz levou a Frente Parlamentar da Água a promover reunião nesta segunda-feira (04), na Assembleia Legislativa, com a finalidade de intermediar um diálogo entre os envolvidos e buscar soluções para o problema. Estiveram presentes, além dos deputados Francisco do PT (PT) e Tomba Farias (PSDB), representantes da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern), do Serviço Autônomo de Águas e Esgotos de Santa Cruz (SAAE), do Ministério Público, bem como autoridades do município.

O Poder Legislativo estadual foi provocado pelo Movimento Santa Cruz, que encaminhou um documento retratando o problema hídrico no município e apontou informações desencontradas dadas pelos responsáveis pela água na região. De acordo com o documento, nos últimos dias, o SAAE emitiu nota dizendo que o volume da água fornecida não era suficiente para abastecer a cidade. Por sua vez, a Caern informou que esse volume era suficiente. A Caern é responsável pelo fornecimento da água que chega no município e o SAAE faz a distribuição desse bem entre a população.

O primeiro a se pronunciar na reunião foi o diretor do SAAE, Ângelo Giuseppe. Segundo ele, o problema de distribuição de água é constante nesse período de verão, onde o consumo de água aumenta e as chuvas são mais escassas. Nesses três últimos meses do ano, com o volume de água que ele recebe, fornecido pela Caern, ele afirma que só consegue abastecer 80% da demanda local, ficando uma parte da população com as torneiras vazias por dias consecutivos. “Se a Caern tivesse condições de aumentar o volume do fornecimento diário nesses períodos críticos,  daria para resolver o problema e ninguém ficaria desabastecido”, disse.

Na contramão da proposta, pronunciou-se o presidente da Caern, Roberto Sérgio Linhares. Roberto esclareceu que não tem contrato de programa com o município de Santa Cruz, portanto tem uma atuação limitada enquanto prestador do serviço na região. Assim, a responsabilidade pelo serviço em Santa Cruz é a SAAE. A sugestão de solução apontada pelo presidente da Caern foi a de hidrometrar a parcela da cidade que ainda não possui hidrômetro.

Já o representante do Ministério Público que atua em Santa Cruz, o promotor de Justiça Ricardo José da Costa, contribuiu com a reunião na medida das atribuições dele. Ele informou aos presentes o teor dos ofícios que encaminhou à Caern e ao SAAE solicitando informações que ajudem a promover a intermediação e a busca de soluções para a situação. “Estou atuando em Santa Cruz há 4 anos e, realmente, no final do ano é que o problema aflora. As pessoas reclamam de estarem 20 dias sem água. Mas, aparentemente, não é um problema de falta d’água e sim de descontinuidade do serviço”, disse. O promotor quis então saber da Caern se seria viável o fornecimento em volume excedente de água nos meses de verão, caso o SAAE se proponha a pagar por esse excedente.

O deputado estadual Tomba, que foi prefeito de Santa Cruz por oito anos, aproveitou para observar que o município, além da população local estimada, conta com uma população flutuante, devido às atividades exercidas na região, com a tendência de expandir com a chegada do teleférico. Afirmou que quando era prefeito já conhecia esse problema de desabastecimento sazonal de água e fez projeto para hidrometrar a cidade inteira, entretanto, por questões políticas o projeto não se viabilizou.
O atual prefeito de Santa Cruz, Ivanildo Ferreira, que também participou do encontro, apesar de reconhecer a necessidade da cidade investir nos hidrômetros, afirmou estar preocupado com uma solução a curto prazo e reforçou o pedido à Caern de que melhore a quantidade de água fornecida para o município, pelo menos nos meses mais críticos.

Partindo para os encaminhamentos da reunião, observou-se, de acordo com as informações dadas pela Caern, que o aumento do volume de água fornecido pela empresa não é viável, por já estar com o fornecimento máximo suportado. “Para fornecer mais água para Santa Cruz eu teria que tirar de uma outra localidade e deixar esse outro local desabastecido, prejudicando, assim, outro município”, explicou o presidente da Caern. Sendo assim, não se achou uma solução a curto prazo, mas os participantes se comprometeram a pensar na solução da questão a longo prazo, para que o problema não volte a se repetir no final do próximo ano.

por Caboré Locações Publicado em Notícias

Como o crime ocorreu em Cerro Corá

Vítima

vítima

Vítima

Na noite desse domingo dia 03, um homicídio foi registrado na Serra de Santana, na zona rural de Cerro Corá, nas proximidades da antiga Pousada de Everaldo.

Informações preliminares dão conta de que o jovem conhecido por Branquinho, de 25 anos, foi vitima de cutiladas de faca peixeira, desferida pela pessoa conhecida popularmente por Mimí, segundo informações repassadas a nossa reportagem.

A vitima foi socorrida para a unidade hospitalar de Cerro Corá, e devido a gravidade dos ferimentos foi encaminha para o hospital regional de Currais Novos, onde passou por cirurgia mas não resistiu e veio a óbito.

O acusado encontrasse foragido sendo procurado pela policia. Ainda não se sabe a motivação do crime.

Por O comunicador

por Caboré Locações Publicado em Notícias

Policia Militar de Cerro Corá prende acusado de homicídio

A Policia Militar  de Cerro Corá, deteve na tarde dessa segunda feira, a pessoa de José Marcio Félix, segunda a autoridade policial, o mesmo tem participação no crime ocorrido neste domingo dia 03, por volta das 16:20, na comunidade Sitio Novo, Serra de Santana, zona rural.

O acusado do crime é Francisco Adelino, vulgo Mini de Kekeu.

A vítima que veio a óbito foi Almir Rogério da Silva Pereira, vulgo Branquinho, nascido em 10/12/1993.

Por O Comunicador

por Caboré Locações Publicado em Notícias